Pouco de como estou hoje.

Sou obsessiva. Completamente. De certa forma,
creio que essa caracteristica tenha me ajudado
a ser quem sou, mas ela é burra no que se refere ao
amor. Eu quero que o outro - qualquer um, qualquer um,
qualquer um mesmo, quando esse um está disfarçado em
nomes proprios - tenha a noção de como seria incrivel viver
aquele um- pouco- a mais comigo. Os meu desejos... Os meus
prazeres... Os meus segredos... As minhas taras ... As minhas reticências...
Mas a minha maior burrice é não perceber que não ter esses momentos
não significa que nada disso exista. E existir é o melhor que tenho a fazer,
ponto. Posso estar bem comigo mesma.

Postagens mais visitadas deste blog

Encontro com Deus

Sobre Recuar

Uma dor que dilacera a alma Endometriose.