Dia da saudade

Hoje é o dia da saudade... Acordei bem cedo e fiquei deitada em minha cama um longo tempo, pensando tentando saber o que realmente me deixa com saudade... E uma mudança ocorreu comigo Algum tipo de paz entrou em minha alma. E pensei - A vida continua. Até a minha vida.
Passei os últimos dias me liberando dos meus próprios compromissos para com a vida; Os excessos de sono, de brigas, de ciúmes, tudo eram coisas que eu usara para manter a vida à distância.
Porque viver sem ele, e com a rejeição, era terrível demais. Eu não queria minha vida. Não, pelo menos, aquela versão. Mas a vida era um tipo de criatura irreprimível e, ela te mostra bem direitinho que vc definitivamente não pode viver a vida de outra pessoa; e é aí onde entra a saudade...
Depois da conversa com mainha, decidi que tinha de começar novamente.
Ainda amo muito ele talvez até mais, ainda quero ele. Ainda sinto falta dele, como se sente a falta de um braço ou uma perna. Provavelmente, se ele me deixasse choraria todas as noites, antes de dormir, durante o próximo século inteiro. E é aí onde entra a saudade...
Na hora de dormir, conto minhas graças. Bem, não é bem assim. “Na verdade Agora, apenas posso dormir feliz.” Mas penso realmente nas boas coisas da minha vida. E essa foi uma mudança radical e importante na maneira como pensara durante o mês anterior.
Tenho que viver a minha vida... Eu definitivamente não sou uma metade, e era disso, exatamente disso que tinha saudade... Da minha identidade... Eu não uma metade que só se completa com outra metade.

Postagens mais visitadas deste blog

Encontro com Deus

Sobre Recuar

Uma dor que dilacera a alma Endometriose.